Receba nossa newsletter por e-mail
Receba as principais informações publicadas no portal.
Assinantes contam com conteúdo exclusivo
 

Por mão de obra, mercado e universidades se unem

Cursos de extensão, parcerias e outras ações aproximam instituições de ensino superior e empresas de tecnologia e inovação
Cursos de extensão, parcerias e outras ações aproximam universidades e empresas de tecnologia e inovação

Alunos e professores de um dos cursos UniFil/Atos, antes da pandemia de covid-19 (Foto: Divulgação)

Com uma falta de cerca de 12 mil profissionais apenas no Paraná, o setor de tecnologia da informação e comunicação (TIC) com frequência se queixa de descompasso entre suas necessidades e o conhecimento dos profissionais formados pelas universidades brasileiras. Para diminuir esse fosso, empresas do setor ou de outros segmentos em busca de inovação em seus processos estreitam relações com instituições de ensino superior da região de Londrina.

“Eu sempre ouvi de empresários que a academia não atende às necessidades do mercado, e eu sempre respondi que não atende e não ia atender. Os cursos de graduação cumprem uma matriz curricular, não demandas específicas de empresas. O que a gente propôs na UniFil e tem dado muito certo é criar cursos de extensão. Implantamos um centro avançado de tecnologia e abrimos cursos conforme a necessidade da empresa de treinamento em determinada linguagem de programação”, relata Sérgio Akio Tanaka, coordenador dos cursos de graduação e pós-graduação da área de TIC na UniFil.

Ele aponta que, com a pandemia de covid-19, o online ganhou força e também estão sendo feitos treinamentos com alunos de outras cidades. “Hoje, conseguimos contemplar qualquer demanda de empresas de todo o Brasil”, afirma o coordenador.

Ana Ribas, diretora de aprendizagem e desenvolvimento, talento e desempenho da Atos para a América do Sul, conta que a multinacional francesa firma parcerias com universidades e instituições de ensino da região desde que instalou um centro de operações em Londrina, em 2013. A princípio, a capacitação de colaboradores foi feita no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Depois, a empresa se aproximou de todas as universidades da região para divulgação de vagas e processos seletivos de estágios.

“Em 2019, começamos a sentir a necessidade de formação em algumas skills técnicas específicas. Começamos a perceber que, quando tínhamos vagas, precisávamos trazer profissionais de outras localidades porque em Londrina não estávamos encontrando gente com esse conhecimento de que precisávamos. Foi então que firmamos uma parceria bastante próxima com a UniFil e começamos a oferecer academias para essas skills específicas para as quais a gente identificava que havia um gap na região: academia de Java, dotNet, entre outras”, explica Ribas.

A diretora conta que essas academias são chamadas de mistas, porque são abertas para o público externo, estudantes que não precisam ser necessariamente da UniFil, e também para profissionais da própria Atos, para gerar oportunidades de recrutamento interno e crescimento na carreira dentro da empresa. “De 2019 até agora, já fizemos 13 academias e já tivemos mais de 300 profissionais formados nelas. Não garantimos a efetivação de profissionais externos, mas caso haja vaga, claro que há preferência (para quem cursou)”, detalha.

Ribas diz que, com a pandemia, a Atos começou a expandir as parcerias com universidades para outras regiões: foram firmados recentemente termos com uma instituição em Santa Maria, no Rio Grande do Sul (Universidade Franciscana), e outra em Salvador (Senai Campus Integrado de Manufatura e Tecnologia – Cimatec).

“Mesmo antes, a Atos já vinha com um olhar bastante avançado para a possibilidade de trabalho remoto e agora, com a pandemia, isso acaba aumentando nossas possibilidades de parceria em qualquer região do país em busca de profissionais interessados em uma oportunidade numa multinacional”, cita a diretora, que acrescenta que a empresa também tem oferecido uma academia online com capacitação de um mês em service desk (sistema de atendimento) para interessados que não precisam ter experiência anterior na área de TIC.

UniFil e Grupo Muffato assinaram em janeiro acordo para o UniFil Silicon Valley (Foto: Divulgação)

Em janeiro, a UniFil anunciou o lançamento do UniFil Silicon Valley, hub de empreendedorismo e inovação com o objetivo de conectar estudantes, jovens empreendedores e empresários da região de Londrina e de todo o Brasil ao Vale do Silício, a meca da inovação localizada na Califórnia, nos Estados Unidos. O grupo supermercadista Muffato foi a primeira empresa a firmar acordo operacional com o projeto.

CAMINHOS

Na Universidade Estadual de Londrina (UEL), a coordenação do curso de ciências da computação busca se aproximar do mercado em quatro frentes. As duas primeiras são os estágios obrigatórios no último ano do curso e os não obrigatórios, que podem ocorrer a qualquer tempo da graduação e cujas horas são computadas para o aluno como atividade acadêmica complementar.

A terceira modalidade é a de atendimento por demanda, em que empresas relatam uma necessidade e alunos passam por treinamento específico para realizar o projeto. A quarta vertente é a prestação de serviços, com desenvolvimento de aplicações específicas para demandas pontuais. Nessas duas modalidades, o departamento cobra do solicitante – na primeira situação, o repasse dos valores para os alunos é através de bolsas de estudos.

No caso dos estágios, uma dificuldade é o fato de o curso da UEL ser integral. Os alunos não podem fazer estágios se houver conflito com os horários de aulas, o que pode ser problemático antes do ano final.

“A gente tenta, na medida do possível, convencer os alunos a estagiar dentro da universidade com bolsas de fomento, tanto internas quanto externas, ou então não estagiar justamente para que não percam a seriação adequada. Em 2020, mudamos nossa grade curricular, deixou de ser série anual (virou semestral), para que o aluno tivesse mais liberdade para estagiar, porque na série anual, dependendo da disciplina em que ele reprova, ele fica retido no ano. Isso acaba comprometendo, tivemos casos de alguns ex-alunos nossos que acabaram desistindo do curso por conta disso”, explica o coordenador do curso de licenciatura em computação, Jacques Brancher.

No campus Londrina da Universidade Positivo, são realizadas periodicamente conversas entre alunos e representantes de empresas de tecnologia. “Eles falam sobre seus produtos, as tecnologias que utilizam, o perfil de profissional que procuram, e os estudantes aproveitam para fazer perguntas. Em alguns casos, depois são feitas visitas à empresa”, descreve Helton de Azevedo, coordenador acadêmico do curso de análise e desenvolvimento de sistemas. Essas conversas aconteciam ao menos uma vez por mês antes da pandemia; agora, são duas por semestre, de forma remota.

Azevedo relata um desdobramento de uma conversa com o CEO da Bis2Bis, empresa londrinense de desenvolvimento de plataformas personalizadas de e-commerce. “Ele percebeu a qualidade e o interesse dos nossos alunos e depois foi criado um treinamento para estudantes da Positivo. Dez aprenderam a utilizar a plataforma deles durante quatro sábados, alguns depois fizeram estágios e houve uma contratação”, relembra. O coordenador diz que outra forma de atender às empresas é procurar estudantes com o perfil mais adequado conforme vagas vão sendo informadas à universidade.

LEIA MAIS:

Universidade londrinense terá hub no Vale do Silício

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin

7 respostas

  1. Parabéns a todas Instituições de Ensino Superior da Cidade de Londrina. Em cada fala percebe-se um único objetivo; formar com qualidade cidadãos de Londrina e Região!!! Só seremos um povo forte com educação de alta performance aliadas ao espirito de cidadania!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONFIRA TAMBÉM

Acesse sua conta